Consumidor é Rei: como as novas formas de entregar informação oferecem uma experiência inovadora ao consumidor

Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Nos últimos 50 anos a comunicação evoluiu numa velocidade exponencial graças a tecnologia e a internet. Essa evolução, também conhecida como terceira revolução industrial, mudou completamente o mundo. Surgiram novos canais de televisão, novas formas de consumir mídia, de ler um livro e de se comunicar com outras pessoas. Essas mudanças aceleraram o desenvolvimento e conectaram todas as pessoas a um computador, um celular e um tablet.

O novo ritmo forçou uma mudança no comportamento das pessoas, criando novos hábitos de consumo. Com a internet, por exemplo, foi possível ler sobre o atentado terrorista de 11 de setembro em tempo real com mais detalhes do que estava sendo transmitido ao vivo pela TV. A comunicação das empresas mudou, principalmente, os grandes conglomerados de mídia que foram os primeiros a produzir conteúdo para a internet. Com isso, já estava acontecendo a transição popularmente conhecida como “do papel para o digital”.

E foram todas as mídias (rádio, televisão, jornal e revista) que tiveram que se adaptar a essa mudança. Assim como ocorreu no passado, nenhuma de fato deixou de existir, mas o processo de consumo de conteúdo mudou profundamente. Por exemplo, o rádio segmentou o processo de hardnews e graças a interação de ouvinte e radialista, a velocidade da informação aumentou. A Televisão interativa permitiu consumir conteúdo ondemand. O jornal impresso encontrou uma nova experiência de leitura através de soluções de publicação digital, como flip e aplicativos.

Essa transição afetou inclusive o modelo de negócios das empresas. Quem começou cedo, hoje consegue inovar e experimentar novas formas de comunicação pela internet. Em 2016, os principais jornais impressos do Brasil perderam 124 mil assinaturas, enquanto que as versões digitais desses mesmos veículos ganharam 91 mil assinantes. Aqueles que preferiram ignorar a mudança, estão enfrentando dificuldades em manter o modelo ou estão modificando às pressas.

Mas afinal o que é essa transição? Como ela afeta a minha empresa?
Essa transição afeta a forma de consumir mídia. A velha forma analítica de comunicação unilateral A para B mudou completamente. Hoje, o conteúdo precisa conversar com o consumidor e vice-versa. De forma grosseira, o conteúdo precisa ser interativo, inovador e dinâmico. É preciso constantemente surpreender quem está lendo.

É importante destacar que conteúdo não é apenas uma notícia no jornal ou um artigo de revista, conteúdo é toda forma de comunicação, desde uma simples nota até um complexo vídeo institucional.

E na era do acesso à informação, conteúdo é o principal ativo de uma empresa, é como ela se posiciona através dos canais para o seu consumidor final. Mesmo uma instituição poderosa e tradicional como o Governo precisa conversar de maneira clara e inovadora para a sua população.

Essa transformação afeta a todos e não só empresas de comunicação porque foi a sociedade que mudou. É preciso entender as necessidades da sociedade para entregar exatamente o que ela precisa e, principalmente, da maneira que ela quer.

O exemplo mais claro disso é o do jornal impresso. Durante o processo de transição “do papel para o digital”, os chefes de redações perceberam que os portais de notícias são uma excelente forma de publicar conteúdo para um determinado público. Contudo, havia um outro público que continuava no impresso, mas que estava sedento por consumo de mídia interativa. A solução foi criar uma versão digital do jornal, na qual é possível literalmente folhear as páginas da edição ao mesmo tempo que consome conteúdo interativo, como vídeos, galeria de imagens e com a possibilidade de compartilhar nas redes sociais. Essa ideia ainda trouxe um benefício histórico já que indexou na internet conteúdo das antigas edições dos jornais, criando um acervo rico de informações.

Está claro que a popular transição “do papel para o digital” não se refere propriamente a mídia. É muito mais que isso. É uma transição de experiência de consumo. É o público consumidor que quer experimentar algo interativo e diferente. Cabe as empresas entenderem a importância dessa mudança.

Para as empresas que já entenderam essa mudança, o grande desafio é entender o consumidor. Onde ele busca conteúdo? Ele está disponível de que forma? É uma experiência boa ou ruim? Vai atender suas expectativas? Essas são perguntas que precisam ser respondidas sempre que uma empresa utilizar os canais de comunicação para falar com o público. Para crescer e inovar, uma empresa deve buscar continuamente novas tecnologias de consumo e novas formas de publicação digital para conseguir surpreender o seu público.

Qual a melhor forma de realizar essa transição?
Essa mudança já é um fato e não pode mais ser ignorada pelas empresas. Entretanto, essa não é a realidade dos empresários no que se refere a investimento na área da comunicação. Muitos pensam que é preciso investir em criação e desenvolvimento ou transformar sua empresa de comunicação numa empresa de TI. Não é preciso uma alteração tão radical. Terceirizar é a solução mais acertada e rentável a médio e longo prazo. Hoje, o mercado oferece soluções de publicações digitais e de conteúdo interativo. O preço desse investimento é relativamente baixo comparado com o orçamento de uma campanha de marketing para grandes canais de comunicação. Além disso, todas essas publicações possuem interfaces inovadoras de captação de recursos permitindo uma renda extra as empresas.

Outras empresas até compreendem a importância da transição para o digital. Inclusive chegam a comprar soluções especializadas. Porém, elas não possuem profissionais com essa mentalidade e, no final do dia, realizam apenas uma transcrição do conteúdo do papel para a internet. Essa não é a melhor forma de produzir conteúdo no ambiente online. Cada mídia precisa ser explorada ao máximo para o usuário ter a melhor experiência possível. As soluções de publicação digital irão oferecer a melhor experiência possível na internet de acordo com o produto e o consumidor final.

Isso também ocorre no cenário público. Na última década, o governo vem investindo e muito em tecnologia, seja prover informações ao cidadão ou serviços de forma digital. É perceptível a mudança positiva que está acontecendo. Um exemplo é mudança nos processos eletrônicos. Pouco tempo atrás, processos com mais de 1.000 páginas precisavam ser baixados integralmente para verificar apenas uma atualização. Imagine o tempo e o recurso gasto na rede para baixar um simples arquivo apenas para ver a última página. Hoje, existem soluções elegantes que atualizam de forma dinâmica o arquivo e permitem visualizar apenas uma parte anexada sem a necessidade de baixar o arquivo na totalidade.

Enfim, a transição depende do perfil e do público da empresa. É preciso agir de forma personalizada porque as demandas e necessidades do público são distintas. Quando o público já está definido, é preciso pensar na experiência do usuário para encontrar a melhor forma de conteúdo.

Fora atender as demandas do consumidor, outro grande benefício das soluções de publicação digital é a riqueza em dados. Absolutamente todas as informações são mapeáveis. É possível verificar se determinado anúncio foi visualização ou não, se a notícia foi lida, se o usuário utiliza celular ou tablet, se é homem ou mulher, a sua idade e em tempo real. Esse tipo de informação é tão importante que pode ser atribuída como métrica de performance do negócio. Isso muda a forma de analisar o negócio e cria novas possibilidades.
Ao conhecer precisamente quem é o consumidor final, é possível personalizar o conteúdo de acordo com os seus gostos. Os dados podem sugerir novos comportamentos dos usuários e possibilitar insights para nova soluções. Esse é a solução ideal na qual empresas analisam o comportamento não de um determinado grupo, mas de uma pessoa, e assim conseguem resolver de forma customizada o seu problema. E essa solução já existe hoje no Brasil e no mundo.

O período de transição acabou e hoje está acontecendo o período de maturação da fase de conteúdo digital. As soluções de publicação digital são necessárias para continuar surpreendendo o consumidor que está cada dia mais exigente. Hoje, um vídeo ou um simples texto, mesmo que muito bem produzido, não é suficiente para surpreendê-lo. É preciso torná-los atraentes. E o objetivo das soluções de publicação digital é justamente esse: tornar o conteúdo atraente e acessível para todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *